quarta, 04 setembro 2019 22:33

Vai ser exibida obra-prima inédita de Josefa de Óbidos

Escrito por
Classifique este item
(2 votos)
Vai ser exibida obra-prima inédita de Josefa de Óbidos Vai ser exibida obra-prima inédita de Josefa de Óbidos "A Leitura da Sina do Menino Jesus"

Uma obra-prima inédita da pintora Josefa de Óbidos datada de 1667, vendida em junho num leilão, na Alemanha, vai ser exibida a partir de sexta-feira no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa.

Intitulada "A Leitura da Sina do Menino Jesus", a pintura criada por Josefa de Ayalla, conhecida por Josefa de Óbidos, é considerada "uma obra-prima pela qualidade e iconografia rara" pelos especialistas.

"É uma peça extraordinária, com um tema muito raro", avaliou Joaquim Caetano, diretor do MNAA.

O especialista em História da Arte revelou que a peça, depois de ter sido adquirida, em junho, num leilão, na Alemanha, pelo colecionador e galerista argentino Jaime Eguiguren, foi cedida para ficar um mês no museu português, em Lisboa.

A vinda a Portugal da pintura devocional de pequenas dimensões - totalmente desconhecida dos especialistas - surge num contexto particular, que tem a ver com a estada da peça na Alemanha, de onde só partiria para os Estados Unidos dentro de um mês.

"Nestas circunstâncias, o colecionador acedeu a que a obra ficasse em Lisboa para exibição durante um mês", e Joaquim Caetano já organizou duas sessões para falar sobre a pintura, uma na sexta-feira, às 18:00, data da inauguração, e outra no dia 03 de outubro, à mesma hora.

A obra foi vendida em junho por 220 mil euros num leilão em Bona, na Alemanha, e, na altura, o Estado português, através da Direção-Geral do Património Cultural, tentou comprá-la para o MNAA, mas sem êxito, porque o valor ultrapassou a disponibilidade financeira para o quadro.

A pintura, vendida através da leiloeira Plückbaum, com uma base de licitação de 25 mil euros, tem uma dimensão de 23 por 29 centímetros, e foi feita sobre placa de cobre, mostrando a Virgem Maria com o Menino Jesus ao colo a ser saudado por outras mulheres com crianças, enquanto uma cigana lhe pega na mão para ler a sina.

A cena decorre durante a estada da família de Jesus no Egito, e a associação entre este país e o povo cigano foi usual na época, em coletâneas de gravuras e nas pinturas em Portugal e em Espanha.

A pintura terá sido comprada já fora de Portugal, nos anos de 1980, mas só foi conhecida quando surgiu no leilão, na Alemanha, recordou o historiador de arte, que foi conservador da coleção de pintura do MNAA e um dos comissários da mais recente mostra do MNAA dedicada à artista, "Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português" (2015).

Para o historiador de arte, é muito possível que venham a surgir, no mercado, outras obras desconhecidas de Josefa, "sobretudo porque, atualmente, com as questões de género em foco, o facto de se tratar de uma mulher artista de grande talento, do período barroco, a sua obra será mais valorizada".

Josefa de Óbidos nasceu em Sevilha, em 1630, e morreu em Óbidos, em 1684. Aprendeu o ofício com o pai, Baltazar Gomes Figueira, com quem trabalhou na sua oficina, e recebeu educação religiosa no Convento de Santa Ana, em Coimbra, entre 1644 e 1646, passando a residir em Óbidos a partir desse ano.

A pintora está representada no Museu do Louvre, em Paris, com o quadro "Maria Madalena", também conhecido por "A Penitente Madalena Consolada Por Anjos", comprada num leilão em Nova Iorque pelo galerista de arte lusodescendente Philippe Mendes, por 236 mil euros, e doada ao museu, onde fora curador.

Também o Museu da Misericórdia do Porto tem um quadro de Josefa de Óbidos, "A Sagrada Família com São João Batista, Santa Isabel e Anjos", igualmente adquirido num leilão em Nova Iorque, por 228 mil euros.

Dos quadros chave na obra da pintora, destacam-se ainda "Maria Madalena" e "Lactação de S. Bernardo", na coleção do Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, "Cordeiro Místico", no Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, e "Cordeiro Pascal", no Museu Nacional Frei Bartolomeu do Cenáculo, em Évora, que detém igualmente algumas naturezas mortas da pintora, assim como as peças "Transverberação de Santa Teresa" e "Sagrada Família" e "Calvário".

O Museu de Arte Walters, de Baltimore, nos Estados Unidos, tem no seu acervo e em exposição permanente o "Cordeiro Sacrificial", pintura adquirida em Roma, no início do século XX, pelo fundador da instituição, Henry Walters.

No Museu Nacional de Arte Antiga encontra-se o maior acervo de obras de Josefa de Óbidos, 15 no total, que foram integradas na exposição dedicada à pintora, há quatro anos, "Josefa de Óbidos e a Invenção do Barroco Português", da qual Joaquim Caetano foi um dos comissários.

Em 1991, a Galeria D. Luís, no Palácio Nacional da Ajuda, acolhera a mostra "Josefa de Óbidos e o Tempo Barroco" e, em 1997, o National Museum of Women in the Arts, em Washington D.C., nos Estados Unidos, dedicou à artista a exposição "Sagrado e Profano: Josefa de Óbidos de Portugal".

A primeira exposição conhecida com obras de Josefa de Óbidos remonta ao final da década de 1940, no MNAA, com a reunião de pinturas do seu acervo.

Ler 55 vezes Modificado em quarta, 04 setembro 2019 22:48