sexta, 10 maio 2019 10:08

Há sons que não suporta? Não está só: saiba o que é a misofonia.

Escrito por
Classifique este item
(2 votos)

Há um motivo para não suportar alguns tipos de sons: chama-se misofonia, também conhecida como Síndrome de Sensibilidade Seletiva do Som (SSSS ou S4), que significa ódio (“miso”) ao som (“fonia”).

Esta disfunção, reconhecida apenas em 1990, é caracterizada por um intenso sentimento de raiva, irritabilidade e até pânico em resposta a sons específicos do dia-a-dia, normalmente inofensivos, acabando por interferir nas actividades diárias e na qualidade de vida pois a pessoa não se consegue abstrair do som.

Este síndrome aparece a partir do final da infância, início da adolescência, e pode provocar a libertação de adrenalina, gerando uma sobrecarga de energia, o que leva a sintomas como taquicardia, respiração mais curta e acelerada, tensão muscular, tremores e suor.

Investigadores da Universidade de Newcastle descobriram que este problema pode ser biológico e estar associado a uma pequena anomalia cerebral – quem sofre de misofonia tende a ter o lobo frontal ligeiramente diferente do resto das pessoas – onde alguns sons desencadeiam alterações na actividade cerebral. A parte do cérebro que faz a comunicação entre os sentidos e emoções fica excessivamente ativa e, além disso, as restantes interacções com outras partes do cérebro dão-se de maneira peculiar.

Há muitas fontes que levam a este estado emocional negativo e que podem provocar uma reacção de fúria como, entre muitas outras, mastigar, respirar alto, engolir, roncar, cantarolar, sussurrar, estalar os dedos, tossir, fungar ou o ladrar de um cão.

Júlia Manto, nome fictício, explica pelas suas palavras o que é sofrer de misofonia.

Qual é o barulho, ou barulhos, que não suporta?

Até agora só tenho dois que é o assobiar e o mastigar. Não suporto.

Como é que reage quando ouve alguém a assobiar ou a mastigar?

Começo a ficar nervosa, muito nervosa; como se estivesse encostada entre uma espada e parede, sem saber o que fazer. Sinto que o som vai entrando na minha cabeça, no meu cérebro, em todo o meu ser, e vou ficando cada vez mais irritada, às vezes tapo os ouvidos para tentar não ouvir mas é impossível, está sempre lá como barulho de fundo o que acaba por me deixar ainda mais nervosa e ansiosa. E chega a um ponto em que tenho que me afastar, porque não aguento.

Irrita-se sempre, seja que pessoa for que estiver a assobiar?

Sim, seja um familiar, conhecido ou um estranho. Só me apetece fugir do som. E o pior é que as pessoas assobiam quando estão contentes, a cantarolar, quer dizer, quando estão de bom humor e é horrível porque realmente para mim faz com que seja totalmente o oposto. Mas, felizmente, é um som que as pessoas normalmente não fazem durante muito tempo mas enquanto dura é desesperante até porque nunca sei quando vai acabar.

As pessoas são compreensivas em relação a isso?

Não. É assim, não é algo que eu conte às pessoas até porque sei que não é uma coisa racional se é que posso dizer assim, mas aquelas que sabem não entendem e pensam que é algo que eu não gosto e vêem a minha reacção como um exagero.  Por isso, não, não acho que as pessoas sejam compreensivas. Acho que só quem sofre do mesmo é que consegue realmente entender que é algo impossível de controlar e, acima de tudo, impossível de suportar.

Se não se conseguir afastar do barulho, como faz?

Aí tento de tudo para me acalmar. Tento que a minha mente vá para outro lado, canto canções para mim… Tudo o que me possa transportar mentalmente para outros sítios com outros barulhos que me acalmam. Infelizmente, quase nada funciona e, como disse, o barulho está sempre lá, é uma sensação constante de nervosismo e raiva sempre a aumentarem até chegar ao ponto de desespero onde me apetece gritar com a pessoa que está a fazer o som mas como sei o ridículo que é, tenho que fugir. Ou eu fujo ou o barulho tem de parar porque se não, entro em paranóia.

Antes de saber que a misofonia existe e é real, o que pensava sobre essa reação em relação ao assobio?

Sinceramente pensei que tinha problemas de raiva ou, não sei, algum problema do sistema nervoso ou psicológico, não sei… A verdade é que não entendia de todo o porquê de ficar assim.

E quando descobriu que era uma patologia, como reagiu?

Fiquei aliviada. Aliviada por descobrir que não era a única e contente por haver um nome para isto que me atormenta de vez em quando. E também, para ser sincera, fiquei feliz de ter só dois sons que me provocam este estado porque descobri que outras pessoas sofrem com bem mais do que dois barulhos, e nem consigo, nem quero, imaginar o que será isso.

Apesar de ainda não existir muita informação sobre a misofonia, nem cura conhecida, se acha que sofre deste distúrbio consulte um profissional de saúde, como um otorrinolaringologista, que poderá ajudar a escolher as melhores vias terapêuticas, nomeadamente a terapia cognitivo comportamental.

Ler 130 vezes Modificado em sexta, 10 maio 2019 20:12
Sara Ribeiro

Redatora Principal

"Tomei o gosto pelas palavras bem cedo.
Encantada por todas as leituras e escritas que passaram e continuam a passar por mim, o meu percurso inevitável em Comunicação guiou-me até aqui.
Continuarei, para sempre, enamorada pelo poder da informação e pela liberdade que ela respira."