quinta, 27 setembro 2018 13:41

Desintoxicação sem complicação

Escrito por
Classifique este item
(1 Vote)
Desintoxicação sem complicação Desintoxicação sem complicação

Somos invadidos diariamente por dezenas de publicações, blogues e posts a preconizarem a desintoxicação do organismo — o detox.

Mercê de tanta informação ficamos habitualmente tão desorientados que somos muitas vezes tentados a negligenciá-la, porque é, de facto, complicado filtrar e assimilar conceitos não enraizados na nossa cultura.

Porém, reconhecendo que a tecnologia evoluiu e que o ser humano evoluiu com ela, temos de concordar que os hábitos de higiene alimentar devam ser também eles revistos para acompanhar essa evolução.

Passo a explicar: nós, os humanos de hoje, modernos, citadinos, levantamo-nos de manhã, por recurso a um despertador, fruto da irremediável subordinação ao relógio e ao tempo, contrariando o ciclo natural da natureza e do nosso próprio ciclo interno. Tomamos o pequeno almoço e vamos trabalhar oito a dez horas, fazendo aquilo que gostamos — ou que nos forçamos a gostar — em ambientes de trabalho habitualmente repletos de tecnologia — computadores, comunicações móveis, wi-fi, etc. — e outras fontes humanas de stresse. Comemos o almoço rapidamente, mastigando mal, e em ambientes pouco tranquilos e/ou poluídos. Voltamos para casa, absorvendo inadvertidamente toda a poluição sonora e do ar que foi, entretanto, ao nosso encontro. Dependendo da nossa vontade, responsabilidades e vida familiar, podemos ir ao ginásio ou praticar algum tipo de atividade física (bastante recomendável) antes de voltar para casa. Como o horário de trabalho é extenso, acabamos por jantar já bem noitinha para compensar o nosso evidente afastamento do lar. Deitamo-nos tarde, descurando uma boa higiene mental e de sono. No dia seguinte o ritual repete-se.

Há exceções à regra. Nem todos agimos da mesma forma. Há, contudo, um traço comum, transversal a todas as pessoas: em maior ou menor grau, acumulamos, pejorativamente, substâncias, detritos da nossa atividade celular, que o nosso organismo necessita desesperadamente de eliminar. Essas substâncias podem ser externas, provenientes da poluição química de tudo o que nos rodeia, ou internas, decorrentes da nossa excessiva atividade mental e emocional.

No corpo podemos contar inúmeros emunctórios, ou seja, órgãos que estão destinados à eliminação desses resíduos. Podíamos falar da pele, dos intestinos, dos pulmões, dos rins, etc.

Gosto particularmente de centrar a atenção no fígado. Ele ajuda-nos a transformar e a eliminar os tais detritos externos e internos através de duas fases bem distintas.

Na fase um, de extrema oxidação, por recurso às enzimas microssomais hepáticas, como o citocromo P450, vão-se formar compostos oxidados e radicais livres. O corpo dispõe naturalmente de antioxidantes endógenos que nos protegem dessas violentas reações, mas se na nossa dieta do dia-a-dia conseguirmos, adicionalmente, incluir curcuma ou turmérico, rico em curcumina, antocianinas, catequinas e outros flavonoides presentes nos frutos do bosque e bagas, chá verde e algumas leguminosas, clorofila (de cor verde), como as folhas verdes da salsa e coentro, a betaína da beterraba, o betacaroteno da cenoura, a vitamina C, etc., ajudamos o organismo — e de que maneira — a balizar esta atividade, que até podemos considerar de “perigosa”, pois é de grande stresse oxidativo.

Na fase dois vão ocorrer reações que irão converter o “lixo” oxidado em derivados mais solúveis em água para serem depois eliminados pelos rins e pela bílis, nos intestinos.

Os sulforafanos, presentes nos brócolos, são outro exemplo de composto que ajudam sobremaneira o processo de desintoxicação do fígado. Atuam beneficamente quer na fase um quer na fase dois da metabolização hepática. Devemos, pois, cozinhá-los a vapor e comê-los ligeiramente al dente.

Em síntese, o que se passa no nosso fígado assemelha-se, por analogia, ao nosso comportamento assertivo, em casa, de colocar devidamente o lixo em sacos apropriados, estanques, nos contentores, limpar a casa, a cozinha e a loiça.

Quem gostaria, afinal, de viver constantemente numa casa desarrumada, com pó, com a loiça suja acumulada em cima da banca e o caixote do lixo já a cheirar mal?

Sugiro então, durante dois ou três dias, num fim de semana prolongado, por exemplo, fazer um sumo verde detox feito na hora e tomá-lo ao acordar, em jejum. Aconselho a não comer mais nada durante a manhã e optar por um almoço leve, como uma salada multicolorida, antioxidante. Durante o dia é fundamental beber muita água e chá verde. À noite, recomendo comer um caldo de vegetais.

Todas as sugestões apresentadas não dispensam o acompanhamento pelo seu profissional de saúde.

Ler 2379 vezes Modificado em quinta, 27 fevereiro 2020 12:11
Ricardo Novais

Ricardo Novais é naturopata. Licenciado em Ciências Farmacêuticas, com pós-especialização em Análises Clínicas e detentor de pós-graduações em Terapias Naturais e Complementares e Acupuntura Integrativa, Ricardo dá aulas de farmacologia e nutrição integrativa em várias escolas de saúde do país.

O seu percurso pela saúde preventiva começou há vários anos, com a convicção de que a base da nossa saúde está numa alimentação natural, ou seja, o menos processada possível, aliada ao exercício físico e à eliminação/redução do stress diário. Tentando voltar à Mãe Natureza, conseguiu integrar os seus conhecimentos científicos com o poder curativo da Terra, proporcionando alternativas a nível alimentar, nutricional, e terapêutico.

Rúbrica “Cozinhar com amor, naturalmente…”

Mercê de um estilo de vida moderno, o ser humano passou a estar mais sujeito aos tóxicos externos, provenientes da poluição do ecossistema, da alimentação industrial, processada, e do uso exacerbado de medicamentos e aos tóxicos internos, produzidos pelo organismo quando se encontra em permanente stresse.
Devemos saber reconhecer os sinais que o corpo evidencia quando começa a ficar sem capacidade de eliminar os excessos. Devemos estar alertas para os perigos que podem sobrevir dessa intoxicação.
É fundamental conhecermos as ferramentas adequadas para favorecer a eliminação dos resíduos acumulados a nível celular e tecidular.
Da paleodieta ao crudivorismo, vamos mostrar comida simples e fácil de confecionar. Com um enfoque na conjugação de nutrientes e sabores e na transformação acertada dos alimentos, vamos proporcionar a melhoria da digestão, otimizar a assimilação dos macro e micronutrientes, potenciando assim a performance do corpo humano e a eliminação das toxinas.
Tudo sem abrir mão duma gastronomia rica e saborosa.