Imprimir esta página
segunda, 10 janeiro 2022 22:48

É urgente intensificar ações para promover a igualdade de género no mercado de trabalho

Escrito por
Classifique este item
(0 votos)

A desigualdade de género é uma das mais persistentes e flagrantes formas de desigualdade que coloca metade da população mundial numa situação de desvantagem sistemática: as mulheres.

Quais as intervenções necessárias para conduzir a uma mudança significativa no sentido de um futuro mais equitativo no que toca à igualdade de género no mundo do trabalho? O Grupo Adecco identificou alguns desafios que a pandemia veio agravar – como o aumento da violência doméstica ou a carga de trabalho informal agravada para as mulheres – e propõe um papel ativo a todos os atores do mercado de trabalho: governos, empresas e indivíduos. Todos têm corresponsabilidades para minimizar o impacto da desigualdade de género.

A IGUALDADE DE GÉNERO é um dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável (ODS), para a concretização da ‘Agenda 2030’, definida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para um mundo mais justo e equilibrado. Com a premissa de que o mercado de trabalho é o tabuleiro onde todos os stakeholders – governos, empresas, sindicatos e profissionais – podem dar o seu contributo para promover a igualdade de género, o Grupo Adecco analisou os desafios que a Sociedade Global enfrenta, nomeadamente com as recentes alterações da pandemia, e as oportunidades que se abrem neste contexto, com a convicção de que ações terão que ser intensificadas já em 2022.

ELIMINAR PRECONCEITOS E DISCRIMINAÇÃO

O ODS 'IGUALDADE DE GÉNERO’ está centrado na condução de ações no sentido de alcançar a igualdade de género e empoderamento de todas as mulheres. A igualdade de género é um direito humano e a luta contra a marginalização baseada no género precisa de ser significativamente intensificada, particularmente na sequência da pandemia de Covid-19, dado o seu impacto desproporcionado nas mulheres, confirmado por vários estudos.

As mulheres continuam sub-representadas nos órgãos de decisão, enfrentam discriminação e assédio no local de trabalho, e assumem obrigações de cuidados não remunerados no que toca ao trabalho doméstico, filhos e, por vezes seniores. Em Portugal, de acordo com Boletim Estatístico de 2021 da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, em 2020 a população residente em Portugal continua a ser maioritariamente feminina. E apesar de o país estar bem posicionado neste tópico a nível mundial, há ainda um longo caminho a percorrer.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) observa que as disparidades de género têm sido difíceis de colmatar na última década. A pandemia só veio agravar a situação: há uma representação excessiva das mulheres na linha da frente e, portanto, uma maior exposição a riscos de saúde, assistimos a um aumento da violência doméstica, e o trabalho doméstico não remunerado subiu em flecha.

Particularmente, o aumento da violência baseada no género aponta para o maior desafio social. Embora a sensibilização global para a marginalização baseada no género, a violência e a discriminação tenham aumentado nos últimos anos e os perpetradores enfrentem cada vez mais reações do público e investigações criminais pelos seus atos, muito disto escapa aos olhos do público – e do sistema de justiça criminal. Por conseguinte, para além das responsabilidades dos governos de protegerem as pessoas, a OIT identificou um conjunto de responsabilidades que recai sobre os empregadores e que não se limita ao local de trabalho. Considerando o aumento do trabalho híbrido, é ainda mais importante que todos os stakeholders compreendam a obrigação de não desviar a atenção perante sinais ou evidências de violência e de verificar com amigos e colegas como está a correr a sua vida com as alterações que a pandemia trouxe ao mercado de trabalho.

Combater a discriminação em toda a cadeia de valor de Recursos Humanos – do recrutamento, à gestão, desenvolvimento e promoção de talentos, à recompensa e reconhecimento – é crucial, uma vez que ainda é demasiado comum que grupos marginalizados sejam excluídos com base nos seus atributos pessoais. Os processos e práticas devem centrar-se unicamente nas competências e qualificações que um candidato traz. Todos os processos de tomada de decisão devem visar a igualdade de representação, quer nas salas de administração e liderança executiva sénior, quer nos parlamentos e no governo local.

Há ainda um longo caminho a percorrer. E o mundo do trabalho precisa de ser uma arena que lidera a luta contra a desigualdade baseada no género. Para impulsionar o progresso e eliminar eficazmente os preconceitos (in)conscientes e a discriminação e fazer avançar a igualdade de género, precisamos de reformular e reconstruir sistemas, políticas e instituições. E precisamos de mais transparência e responsabilização. Todos têm um papel a desempenhar para alcançar um progresso sistemático e sistémico em direção a estes objetivos, a fim de moldar um Mundo de Trabalho melhor que combata decisivamente a discriminação onde quer que ela ocorra.

TODAS AS PARTES INTERESSADAS DO MERCADO DE TRABALHO TÊM UMA RESPONSABILIDADE

Os governos devem intensificar a sua luta contra a economia informal/paralela e tornar os direitos sociais acessíveis aos trabalhadores numa grande variedade de posições. Além disso, os direitos sociais devem também devem ser refletidos nas alterações aos contratos de trabalho. Melhores políticas para o trabalho flexível são outra solução para apoiar as pessoas em transição para a economia formal. Deve-se proibir qualquer forma de discriminação baseada no género, sexualidade, etnia, crença, antecedentes, estatuto legal ou outras características, sempre que tal ainda não tenha sido feito. Os currículos escolares devem alinhar-se melhor com as exigências de competências do mercado de trabalho, e as instituições educativas devem cooperar com os empregadores para desenvolver modelos de aprendizagem inovadores que proporcionem competências relevantes aos estudantes.

Os empregadores devem ser mais ativos no combate à desigualdade e no aproveitamento das suas posições e influência para permitir a todos o acesso e o sucesso no mercado de trabalho. A inclusão é fundamental, e os empregadores devem examinar sistematicamente os seus processos de discriminação e preconceitos (in)conscientes e fornecer linhas de denúncia seguras e anónimas para que os indivíduos possam denunciar abusos. É essencial que os grupos marginalizados recebam o apoio de que necessitam para terem igualdade de oportunidades.

Os profissionais devem ajudar a criar uma atmosfera de aceitação, igualdade e respeito nos seus locais de trabalho, estando atentos, inclusivos e ajudando a fomentar uma tal cultura. É importante que todos tenham a obrigação de levantar a sua voz contra a discriminação sempre que a observamos.

Ler 356 vezes Modificado em segunda, 10 janeiro 2022 22:59